Indivíduo, Estado, ou Família. Qual deve ser a base da sociedade?

“Se alguém não cuida dos seus parentes, e especialmente dos de sua própria família, negou a fé e pior que um descrente.” 1 Timóteo 5:8.     

Por IRMÃOS RUSSO

Vivemos em um período em que duas correntes políticas se digladiam: Direita e Esquerda.

Caso você seja de Direita, você vai defender que o Indivíduo é a base da sociedade e que está acima do Estado. Caso você seja de Esquerda, defenderá que o Estado é a base da sociedade e que o Estado está acima do Indivíduo. Enfim, qual dos dois escolher? Quanto ao Estado e ao Indivíduo, ambos têm valor; então,  qual deve ser a nossa prioridade?

Infelizmente, os maiores problemas que a sociedade Ocidental enfrentou e enfrenta estão relacionados à supervalorização do Indivíduo ou a supervalorização do Estado: nem um nem outro deve ser a base da sociedade. Uma outra instituição, que é a mais antiga de todas, deve ser a base da sociedade.

Esta outra instituição está um pouco esquecida, porém muito atacada e relativizada: esta instituição se chama Família. A supervalorização do Estado e o individualismo extremo são inimigos FERRENHOS da família: o Estado absoluto quer substituir a Família e o Individualismo extremo quer relativizar e desmerecer a Família. Todas estas instituições são antagônicas e irreconciliáveis.

Contudo, não estou dizendo que o Estado seja mal em si, muito menos o Indivíduo: uma nação precisa de ambos para se organizar e uma Família é o conjunto de indivíduos. O que eu quero dizer é que a BASE DA SOCIEDADE deve ser a FAMÍLIA e neste artigo explicaremos qual deve ser o papel do Estado, do Indivíduo e da Família.

“a nação precisa de ambos, Estado e indivíduo, para se organizar, mas a base da sociedade é a família”

Papel do Indivíduo na sociedade

Eu separo o individualismo em dois grupos: o individualismo positivo e o negativo e o que seriam o individualismo positivo e negativo? 

Individualismo positivo está relacionado aos direitos humanos mais básicos, como por exemplo, O Direito à Vida; este é o maior motivo pelo qual somos pró-vida, porque a vida dos bebês é muito preciosa.

A Valorização de cada indivíduo em sua existência (cada ser humano é precioso apenas por existir) e a Valorização de sua individualidade (cada um é único no mundo, cada um tem o seu dom, sonhos  e habilidades) são imprescindíveis: Deus não nos criou como robôs idênticos. 

O Direito de ir e vir: um direito que  tem sido muito cerceado ultimamente.

O Direito a empreender: um dos pilares do sistema capitalista é a habilidade individual de usar os seus próprios dons, talentos e recursos para investir, criar, produzir e enriquecer. 

O Direito à defesa: assim como temos a vida, temos o direito de protegê-la.

O Direito à propriedade: assim como podemos empreender e enriquecer, temos também o direito de POSSUIR os frutos do nosso trabalho, etc..

Todos estes direitos acima, nós acreditamos , apoiamos e aplaudimos.

O Individualismo negativo é tudo aquilo que veio depois: O Direito à imoralidade, ou seja, o direito a não apenas praticar imoralidades, mas insistir na implementação dela como norma e padrão para a sociedade.

O Direito à irresponsabilidade, ou seja, o direito do indivíduo a se livrar das consequências dos seus erros ou crimes.

E também o individualismo como a  mentalidade egoísta que tenta cortar do homem o seu vínculo e laços com seus familiares, com a sua nação, com a sua igreja.

O ser humano é extremamente inter-dependente; desde a mais tenra idade até à nossa velhice dependemos uns dos outros; os mais novos dependem dos seus pais; os mais velhos dependem dos mais jovens (aposentadoria nada mais é que a população ativa sustentando a população inativa). Desde os tempos mais remotos, o ser humano ajudou e foi ajudado: isso é o que nos faz seres humanos.

E viver em sociedade e em conjunto significa cada um se sacrificando um pouquinho pelo bem comum; cada um se sacrificando pelo grupo. Nos tempos antigos, os homens iam caçar e guerrear enquanto as mulheres ficavam protegidas juntamente com as suas crianças; subsequentemente, as crianças, depois de crescidas, caçavam e guerreavam enquanto os mais velhos ficavam protegidos.

O individualismo egoísta retira do homem a principal característica que fez a humanidade sobreviver: o sentimento de coletividade, a responsabilidade de uns para com os outros.

“O individualismo egoísta retira do homem a principal característica que fez a humanidade sobreviver: o sentimento de coletividade, a responsabilidade de uns para com os outros.”

Se você está gostando do texto, não deixe de compartilhar nos botões abaixo:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email

Papel do Estado na sociedade

O Estado é a forma mais avançada da sociedade ou nação de se organizar, que não impede  este Estado de se apresentar como  uma instituição positiva ou negativa.

O Estado se torna uma força positiva quando ele cumpre o seu papel MÍNIMO de organizador da sociedade, não ocupando os espaços das outras instituições.

A ausência estatal traz instabilidade e desordem: por mais que os anarquistas critiquem o Estado, o Estado é responsável pela segurança de um país e nação e pela aplicação de leis.

Sem a presença estatal, a lei estará do lado daquele que tem mais força e armas; os países sem exército serão presas fáceis de outras sociedades que contam com um exército bem organizado, nacional. É bom lembrar que milícias privadas não lutam por um país; lutam apenas pelo seu financiador.

O Estado é uma instituição necessária para a proteção de um país e para manter a ordem.

Contudo, o Estado, quando absoluto, vira uma instituição repressiva e totalitária. A História está cheia de exemplos disso, como por exemplo o Comunismo e o Fascismo.

Os grandes problemas que enfrentamos como sociedade ocidental também estão relacionados ao agigantamento do Estado, se apropriando de funções que não lhe pertencem.

  • O Estado quer tomar o lugar dos pais na criação e educação dos filhos (sistema de ensino atual).
  • O Estado quer tomar o lugar  dos filhos quanto ao sustento dos pais (aposentadoria).
  • O Estado quer tirar da Igreja a obrigação de fazer obras de caridade (socialismo).
  • O Estado quer tirar da Igreja a obrigação de cuidar dos órfãos e das viúvas (orfanatos e hospitais religiosos tomados pelo Estado).
  • O Estado quer tirar do indivíduo o direito a empreender (comunismo).
  • O Estado quer tirar do indivíduo o direito à propriedade privada (comunismo).

O Estado agigantado é inimigo ferrenho da família, do indivíduo e da Igreja; um verdadeiro monstro ciumento e dominador que não tolera dividir espaço.

 Por isso, o Estado é extremamente útil e necessário apenas em uma situação, quando o Estado for MÍNIMO..

“É bom lembrar que milícias privadas não lutam por um país; lutam apenas pelo seu financiador.”

Papel da Família na Sociedade

A família é a verdadeira base da sociedade, a pedra angular do desenvolvimento da civilização, o pilar que garante a sobrevivência da humanidade. A família foi a primeira instituição humana; através dela a humanidade sobreviveu; cresceu; se multiplicou; se desenvolveu e chegou ao seu ápice: o  ser humano não conseguiria nem sobreviver se não estivesse inserido no ambiente familiar.

A formação intelectual, moral, emocional e espiritual do ser humano deve ser recebida, primeiramente, no ambiente familiar; a família deve ser enaltecida; apoiada e protegida; todo plano de destruir,  reformular ou alterar a estrutura familiar deve ser considerado um crime contra a humanidade.

E por que eu digo ‘’crime contra a humanidade’’? Todos os países ou sociedades que colocaram o Estado acima da família estão experimentando uma queda DRÁSTICA nas suas taxa de natalidade; a tendência é que muitos países diminuam pela metade a sua população e apenas as civilizações que valorizarem a família sobreviverão: não se esqueça que o ser humano é mortal. A sobrevivência e a subsistência de uma civilização, nação ou sociedade depende das próximas gerações.

Individualismo também têm sido um problema grave; práticas egoístas como divórcio; sexo sem compromisso; pornografia; sodomia; formas alternativas de casamento ou família; todas estes costumes estão reduzindo drasticamente a taxa de natalidade e, por consequência, exterminando as civilizações que as praticam.  Apenas as sociedades conservadoras sobreviverão.  

Algumas nações europeias só crescem através da imigraçãoem massa, com risco tremendo de perda de identidade; alguns países asiáticos estão passando por uma grave crise na previdência social: tudo isso são frutos de sociedades que relativizam o papel familiar na sociedade e, portanto, estão fadadas a desaparecerem.

Diante do que foi exposto, concluímos que nem o Estado e nem o Individualismo devem ser considerados a base da sociedade; a sociedade apenas sobrevive, cresce, progride e se multiplica através da Família,  e por isso, ela deve ser protegida, exaltada e honrada.

Sigam-nos nas redes sociais:

Vejam nossos outros artigos:

Junte-se a nós e receba todas as novidades

Conservadorismo Inteligente

Leave a Comment